Introdução

O trauma dento-alveolar em crianças é angustiante para a criança e os pais. Seu manejo pode ser igualmente difícil para o cirurgião-dentista. Um acidente dento/facial traumático pode comprometer a integridade de uma dentição previamente saudável e resultar em aspecto desagradável, afetando a autoestima da criança. Uma ligação de um pai perturbado de uma criança com lesão dento/facial é uma das poucas emergências agudas observadas por cirurgiões-dentistas que justificam o rearranjo da agenda no consultório.

Foto de uma criança brincando com água
Foto de uma criança jogando futebol

A maioria das lesões em crianças é causada por quedas e acidentes durante brincadeiras. Os picos de incidência na dentição decídua são encontrados entre dois e três anos de idade, quando a criança está desenvolvendo a coordenação motora. Na dentição permanente, os picos de incidentes são encontrados entre nove e dez anos de idade, quando atividades vigorosas de brincadeiras e de esportes se tornam mais frequentes. Lesões por alta velocidade ou cortantes causam fraturas e luxações dos dentes, enquanto o trauma contuso causa maiores danos aos tecidos moles. Outra causa importante de lesões dentárias em crianças pequenas é o acidente de automóvel e ônibus escolar. Crianças que não usam cinto de segurança ou cadeirinha podem bater no painel, ou no assento na frente delas durante uma parada súbita.

Crianças com distúrbios convulsivos crônicos apresentam um aumento de incidência de traumatismo dentário. O uso de capacetes de proteção e protetores bucais personalizados são recomendados para essas crianças de alto risco.

Até 50% das crianças vítimas de abuso físico sofrem lesões na cabeça e no pescoço. Os sinais de abuso infantil incluem lesões em vários estágios de cicatrização, lacerações do freio labial e ferimentos e lesões repetidos cujo aspecto clínico não é compatível com a história apresentada pelos pais. Os dentistas que suspeitam de abuso infantil em pacientes são obrigados por lei a relatar casos suspeitos às autoridades competentes.

Trinta por cento das crianças sofrem trauma na dentição decídua e 22% das crianças sofrem trauma na dentição permanente até seus 14 anos de idade. As lesões ocorrem no sexo masculino em uma margem de 2:1 em relação ao sexo feminino. Os dentes anteriores são os mais comumente envolvidos. Lesões geralmente envolvem um único dente, exceto com lesões esportivas e acidentes com veículos automotores. O fator predisponente predominante é uma oclusão de Classe II, divisão 1. À medida que a sobressaliência aumenta, a frequência aumenta proporcionalmente. A frequência de trauma nos dentes anteriores em uma criança com um sobressaliência de 3-6mm é o dobro da de uma criança com sobressaliência de 0-3mm. Crianças com sobressaliência maior que 6 mm têm uma taxa de frequência três vezes maior.1,6