Desenvolvimento contínuo dos cremes dentais terapêuticos

As pressões do cambiante mercado levaram a contínuas pesquisas para desenvolver melhores produtos, o que levou a mudanças nas formulações dos cremes dentais e na embalagem dos produtos. Alguns exemplos seriam o desenvolvimento de géis em comparação com os cremes, bombas para administrar os produtos, depósitos de duplo tubo e também a adição de muitos agentes cosméticos. Uma das primeiras melhoras foi o desenvolvimento dos cremes dentais com «controle de tártaro» em meados da década de 1980, que demonstraram ter bastante sucesso no mercado. Notou-se que um aditivo de pirofosfato ou de zinco era eficaz na redução do crescimento do tártaro e impedia que se endurecesse, em forma de um depósito de difícil eliminação. Isto facilitou as limpezas para os higienistas durante as visitas dentais de rotina44,45. Outro agente de controle do tártaro utilizava um copolímero de éter e ácido maleico (PVM/MA) e pirofosfato para reduzir a formação do tártaro. Nem todo mundo está preocupado pelo excesso de formação de tártaro, mas o aumento da consciência pública sobre a saúde oral levou à adição de agentes que não só limpam os dentes e a boca, mas também melhoram a saúde geral. Assim, os fabricantes se concentraram no desenvolvimento de formulações «multibenefício» capazes de fazer frente a mais de uma necessidade. Um exemplo é a combinação do flúor e do nitrato de potássio para controlar de forma simultânea a cárie dental e a hipersensibilidade da dentina46,47. También vimos um aumento nos produtos que combinam agentes «cosméticos» e «terapêuticos» em um só produto. Um exemplo disso seria a limpeza, o controle do tártaro, a eliminação das manchas ou a capacidade de branqueamento das novas formulações, combinadas com flúor para controlar a cárie.

Embora os cremes dentais fluorados e a melhora da saúde oral tenham beneficiado enormemente a população ao reduzir a incidência da cárie, os estudos mostram uma prevalência continuamente elevada da gengivite e da recessão gengival entre os adultos48. O desejo de tratar a cárie e a gengivite, junto com os padrões cambiantes na saúde oral, conduzem a uma ampla pesquisa dos laboratórios da Procter & Gamble e a «volta» ao fluoreto de estanho como princípio ativo. Isto requereu o desenvolvimento de uma formulação estabilizada que proporcionasse suficiente fluoreto de estanho para o benefício contra a gengivite e suficientes reservas de fluoreto de estanho para proporcionar um benefício contra a cárie. O sistema de estabilização desenvolvido utilizou o gliconato de sódio como agente quelante para proteger o SnF2 da hidrólise. O cloreto de estanho foi incluído como um antioxidante para proteger o SnF2 da oxidação e como reserva de estanho para reduzir a perda de SnF2 no abrasivo. Os outros muitos aspectos benéficos do fluoreto de estanho, como a dessensibilização da dentina e a reatividade da superfície da raiz, podem ser prometedores para melhoras futuras49. Um número especial do Journal of Clinical Dentistry em 1995 esteve dedicado ao creme dental com fluoreto de estanho estabilizado50. assim, a maioria de princípios ativos facilmente disponíveis no mercado dos EUA, uma vez mais, incluem o SnF2 assim como o NaF e alguns, Na2FPO4. Infelizmente, o uso de SnF2 continuou estando limitado nesse momento em grande medida devido ao mau sabor, adstringência e o potencial de manchas extrínsecas menores. Seria necessária mais uma década para superar estes desafios.