Aceitação pública dos cremes dentais terapêuticos

Uma perspectiva interessante sobre o conhecimento e a aceitação do público de um creme dental terapêutico vem de um artigo publicado pela Faculdade de Negócios de Harvard20. Um relatório detalhado pela Unilever em 1959 fez a seguinte observação: «Infelizmente, o creme dental terapêutico real que ofereça um grau elevado de proteção contra a cárie dental continua sendo um sonho, que parece pouco provável que se produza durante algum tempo. Se este problema pudesse ser resolvido nos proporcionaria líderes mundiais». O desenvolvimento e as provas de cremes dentais Oral B a finais da década de 1950 pareciam ser somente o produto de um sonho, mas um estudo de mercado em 1958 mostrou que este creme dental terapêutico tinha tido um pequeno efeito sobre as fatias de mercado. Até que a ADA não lhe outorgou à Oral B o selo de aceitação a empresa não pôde se separar dos outros cremes dentais. Realizaram-se um total de 40 ensaios clínicos com fluoreto de estanho original e várias formulações de abrasivos que verificaram sua eficácia. A importância combinada da aceitação da ADA mais a falta de um rival terapêutico comparável lhe deram à marca Oral B uma oportunidade de converter-se em líder do mercado. Em 1969, a Colgate também recebeu o apoio para um creme dental terapêutico. Isto mudou os cremes dentais, que passaram de oferecer simplesmente benefícios cosméticos a centrar-se mais nos benefícios terapêuticos, e todo o mercado começou a mudar. Uma olhada às fatias de mercado mostra que os cremes dentais concentrados em proporcionar benefícios cosméticos nos EUA tinham ao menos 70 % do mercado na década de 1960, mas somente um 11 % em 1985. Por outro lado, as marcas concentradas na terapêutica tinham somente 14 % do mercado em 1960, mas passaram a 60 % em 1985, com outros 19 % nos produtos de combinação. Esta mudança nas fatias de mercado mostra a grande aceitação do público e a demanda de cremes dentais terapêuticos que continua hoje em dia. Os mercados europeus seguiram logo, embora tenha sido o passo de Colgate a um creme dental terapêutico o que liderou o caminho nesta região. De igual interesse parecia ser o setor da saúde das gengivas em comparação com o setor anticáries. O primeiro em mover-se no setor da «saúde das gengivas» do mercado de cremes dentais foi a firma alemã Blendax. De forma similar à mudança nas fatias de mercado nos EUA, as marcas cosméticas europeias constituíam somente 10 % do mercado em 198520.