Hyperglycemia

Antes de iniciar qualquer tratamento odontológico invasivo, os níveis de glicose no sangue de pacientes com diabetes devem estar inferiores a 200 mg/dl. Leve em conta que o estresse físico e emocional durante o tratamento pode elevar ainda mais os níveis de glicose no sangue e, possivelmente, colocar o paciente em risco de emergência médica. Além disso, o diabetes não controlado (tabela 2) também pode ser um fator para aumentar o tempo de cicatrização e colocar o paciente em risco de infecção. Se o paciente se esqueceu de tomar a dose recomendada de seu agente oral de diabetes e/ou insulina, isso pode ser feito e o valor de glicose no sangue deve ser novamente testado. Tome cuidado para que o paciente não tome mais do que a quantidade prescrita. Ainda, como os valores de glicose no sangue diminuem com a atividade, o paciente pode caminhar pelo consultório por 15 minutos e ser testado novamente.

Se o nível de glicose no sangue ainda estiver acima de 200 mg/dl, o paciente deve ser encaminhado para a equipe de saúde responsável pelo seu tratamento de diabetes, e a consulta odontológica deve ser reagendada. A realização de procedimentos não invasivos, como radiografias ou exame bucal, pode ser feita antes de dispensar o paciente.

Os níveis de glicose no sangue tendem a ser mais estáveis pela manhã; portanto, consultas pela manhã podem ser mais benéficas para o paciente. As técnicas de redução do estresse, como o uso de fones de ouvido e consultas curtas, podem ajudar a evitar que os níveis de glicose no sangue subam.

O paciente odontológico com hiperglicemia não controlada pode precisar de terapia antibiótica profilática. A terapia antibiótica sistêmica ou as terapias antimicrobianas tópicas são modalidades de tratamento aceitas para tratamento agressivo de infecções bucais. Consultas de retorno devem ser realizadas pelo menos a cada três meses para monitorar a cicatrização de feridas e minimizar a infecção periodontal.

Como a epinefrina antagoniza a ação da insulina, resultando em hiperglicemia, a anestesia local sem vasoconstritores é recomendada quando possível para pacientes com diabetes não controlado. Outra consideração é usar glicocorticosteroides com cautela, uma vez que eles também têm o potencial de aumentar os níveis de glicose no sangue.