Dentalcare.com.br

Introdução

O status geral de saúde de um paciente determina a capacidade dele de se submeter ao atendimento odontológico e responder a este. Assim, problemas específicos do paciente que podem interferir no processo clínico devem ser identificados. Ao determinar o risco perioperatório, os profissionais da saúde devem considerar doenças passadas e presentes, grandes hospitalizações, capacidade funcional, histórico de alergias a medicamentos e outras reações adversas a medicamentos (RAMs), suplementos alimentares, dietas especiais e medicamentos tomados pelo paciente.1

Nos Estados Unidos, existem aproximadamente 500 substâncias ativas (entidades químicas) aprovadas pela Food and Drug Administration (FDA) em vários milhares de formulações terapêuticas diferentes. O ClinCalc DrugStats fornece estimativas de dados de utilização de medicamentos prescritos com base na Pesquisa do Painel de Despesas Médicas (MEPS) anual.2 A lista dos Principais Medicamentos Prescritos de 2017 reflete os dados coletados em 2014 e baseia-se em mais de 3,187 bilhões de prescrições ambulatoriais.2

O banco de dados DrugStats é uma versão padronizada e depurada do banco de dados MEPS.2 As medidas de depuração incluem a identificação de prescrições para medicamentos inválidos e aquelas com dados incompletos. As medidas de padronização baseadas no Código Nacional de Medicamentos da FDA, no Livro Laranja da FDA e nos bancos de dados NLM RxNorm são usadas para agregar medicamentos similares com base em sua substância ativa, ou seja, as entradas do DrugStats são padronizadas com relação a entidades químicas aprovadas.

Os 200 Principais Medicamentos Prescritos de 2017 representam 40% das 500 substâncias ativas disponíveis e abrangem 90% de todos os medicamentos prescritos usados por pacientes ambulatoriais em 2014.2 Os 300 Principais Medicamentos Prescritos de 2017 representam 60% das 500 substâncias ativas disponíveis e abrangem 97% de todos os medicamentos prescritos usados por pacientes ambulatoriais em 2014.2 Esses dados são inestimáveis na identificação de fatores de risco específicos de pacientes em ambientes ambulatoriais, por exemplo, ambientes de saúde bucal.

Os 300 Principais Medicamentos Prescritos de 2017 incluem a epinefrina, na posição 293.2 O ranking, baseado em quase 1,45 milhão de prescrições, refere-se à frequência em que as formulações de epinefrina foram prescritas em 2014 em comparação com outros medicamentos. Os sinônimos de medicamentos utilizados durante o processo de depuração e padronização incluíram formulações genéricas e de marcas que continham epinefrina, cloridrato de epinefrina e bitartarato de epinefrina como substância ativa.2

A posição 293 indica que, com base nos 300 Principais Medicamentos Prescritos de 2017, as formulações de epinefrina são medicamentos prescritos relativamente incomuns. No entanto, deve-se notar que o verdadeiro uso anual de epinefrina é muito maior, ou seja, a epinefrina está sub-representada no banco de dados porque as formulações de anestésicos locais (AL) que contêm epinefrina e a epinefrina como medicamento de emergência administrado por prestadores de serviços de saúde não são contabilizadas no banco de dados.

A maioria das formulações de epinefrina é prescrita principalmente por médicos. Os profissionais de saúde bucal administram epinefrina a pacientes como adjuvante em formulações de anestésicos locais como prática padrão em associação com o manejo da dor perioperatória. Além disso, em casos raros, os profissionais de saúde bucal precisam administrar formulações de epinefrina durante o gerenciamento de reações alérgicas graves e agudas do Tipo 1, isto é, anafilaxia.

Quando os profissionais de saúde bucal estiverem administrando formulações de medicamentos que contêm epinefrina, a competência mínima deles deve refletir o conhecimento em relação à farmacologia da epinefrina nas oito áreas a seguir: (1) nome do medicamento (marca/genérico), (2) mecanismos de ação, (3) cinética do medicamento, (4) indicações para uso, (5) dosagem, (6) familiaridade com possíveis RAMs e parâmetros de monitoramento, (7) contraindicações e (8) uso de recursos informativos confiáveis.

DailyMed, um recurso online útil, é o repositório oficial das bulas aprovadas pela FDA, ou seja, dados individuais clinicamente relevantes relacionados a medicamentos.3 As informações publicadas são as mais recentes enviadas à FDA pelas empresas farmacêuticas e incluem avisos reforçados de revisão pela FDA. As informações são precisas, sempre que possível se baseiam na experiência humana e não contêm informações promocionais ou enganosas, como reivindicações implícitas.