Prurido, urticária e angioedema

Prurido ou coceira (Tabela 9) é uma reação dérmica a diversos estímulos, incluindo toque leve, vibração, fibras de lã e vários mediadores químicos. A histamina, liberada pelos mastócitos, é um dos mais importantes mediadores químicos. O prurido é um sintoma comum de doenças de pele primárias, como dermatite alérgica de contato. Menos comumente, reflete uma reação sistêmica a medicamentos (p.ex., AINE, penicilina e opioides) e outros alérgenos.

A urticária (Tabela 9) é uma reação a substâncias vasoativas (p.ex., histamina) liberada pelos mastócitos na derme superficial, resultando em edema intradérmico causado por vasodilatação capilar e venosa. O processo pode ser uma reação de hipersensibilidade tipo I mediada por IgE; ativação direta não imunomediada de mastócitos por fármacos; inibição da ciclo-oxigenase induzida por fármacos que ativa os mastócitos por meio de mecanismos mal compreendidos; ou causada por estresse e ansiedade.

O angioedema (Tabela 9) é a anafilaxia dos tecidos subcutâneos. Resulta da ativação de mastócitos e basófilos na derme mais profunda e tecidos subcutâneos e está patogenicamente relacionada com a urticária que ocorre na junção dermo-epidérmica. As causas do angioedema agudo, que podem ser acompanhadas de prurido e urticária, incluem drogas e outros alérgenos. O angioedema crônico é principalmente idiopático, raramente mediado por IgE, e alguns casos são hereditários.

Tabela 9. Prurido, urticária e angioedema.

Prevenção:
  • Identificar o paciente em risco
    • Reduzir o estresse
    • Não prescrever inibidores de COX
    • Garantir anestesia local profunda
      • Usar agentes anestésicos locais que contenham um vasoconstritor congruente com a capacidade funcional do paciente.
Sinais e sintomas:
  • Prurido
    • Prurido localizado
    • Prurido generalizado
    • Erupção cutânea maculopapular ou urticária
  • Urticária
    • Pápulas pruriginosas da pele, migratórias, bem circunscritas e eritematosas
      • Início com contato ou alérgenos inalados ocorre em poucos minutos ou horas após a exposição
      • O início com alérgenos ingeridos ocorre em 48 horas
      • O início com estímulos emocionais é em segundos ou minutos
    • A urticária pode ser acompanhada de angioedema
  • Angioedema
    • Pode ser pruriginoso ou não pruriginoso e pode ser acompanhado por urticária
    • nchaço doloroso local e difuso da face, pálpebras, lábios, língua e extremidades (dorso das mãos)
    • nchaço da língua e edema faríngeo e laríngeo podem causar angústia respiratória
      • Pode ocorrer obstrução completa das vias aéreas
Resposta de emergência:
  • Parar o agente precipitante de exposição
    • Prurido
      • Generalizado
        • Administrar difenidramina oral (antagonista do receptor de H1)
          • 25 a 50 mg, quatro vezes ao dia, até o desaparecimento dos sintomas
      • Urticária aguda
        • Administrar difenidramina oral (antagonista do receptor de H1)
          • 25 a 50 mg, quatro vezes ao dia, até o desaparecimento dos sintomas
        • Angioedema agudo
          • Angioedema leve
            • Administrar difenidramina (antagonista do receptor de H1)
              • 25 a 50 mg, quatro vezes ao dia, até o desaparecimento dos sintomas
          • Angioedema grave
            • Administrar prednisona
              • 30 a 40 mg, por via oral, uma vez por dia, até o desaparecimento dos sintomas
          • Edema faríngeo ou laríngeo com estridor e sibilância
            • Acionar o SME
              • Administrar imediatamente epinefrina a 1:1000
                • Adulto: epinefrina (EpiPen), 0,3 mg, IM (coxa anterolateral)
                • Criança: epinefrina (EpiPen Jr), 0,15 mg, IM (coxa anterolateral)
Observação:
  • Sinais de recuperação: sinais e sintomas diminuem
  • Sinais de deterioração: estridor do angioedema progressivo, sibilância e outras evidências de dificuldade respiratória