Fatores de Risco Específicos ao Procedimento

Todo procedimento provoca uma resposta ao estresse, ou seja, “estresse cirúrgico”, caracterizada por alterações fisiológicas (ou seja, autócrinas, endócrinas e parácrinas) acompanhadas de reações psicológicas (p.ex., medo, ansiedade, raiva, tensão, mal-estar ou fadiga).11 A magnitude dessas respostas relacionadas com o procedimento é proporcional à gravidade do trauma tecidual, à duração do procedimento, ao volume de perda de sangue, aos deslocamentos de líquidos e às mudanças na temperatura corporal central.11

Com base nos critérios anteriores, o estresse relacionado com o procedimento pode ser classificado como alto, intermediário e baixo, com taxas estimadas de eventos médicos maiores associados de >5%, 1-5% e <1%, respectivamente (Quadro B).12 Com procedimentos de baixo estresse (p.ex., procedimentos odontológicos), o risco é insignificante, a menos que fortes fatores de risco específicos do paciente estejam presentes. A OHCP deve identificar fatores de risco específicos para pacientes que podem levar a emergências médicas durante o período perioperatório.

Quadro B. Estimativas de estresse relacionado com o procedimento.12

Procedimentos de alto estresse Procedimentos de estresse intermediário Procedimentos de baixo estresse
  • Aórtica e outras cirurgias vasculares importantes
  • Cirurgia vascular periférica
  • Neurológico
  • Pulmona
  • Ortopédico de grande porte (quadril, coluna
  • Transplante renal
  • Cirurgia de cabeça e pescoço
  • Cirurgia de mama
  • Procedimentos odontológicos
  • Cirurgia ocula
  • Procedimentos ginecológicos
  • Procedimentos ortopédicos de pequeno porte
  • Cirurgia urológica de pequeno porte