Acidente vascular cerebral

Acidente vascular cerebral ou AVC (Tabela 13) é uma síndrome associada à interrupção do fornecimento de sangue a uma parte do cérebro que causa déficit neurológico. É comum que um AVC ocorra após um coágulo sanguíneo em evolução associado à aterosclerose que bloqueia progressivamente uma artéria cerebral. Alternativamente, pode ser devido a um êmbolo que se alojou em uma artéria cerebral obstruindo o fluxo sanguíneo ou resultou de hemorragia subaracnóidea ou intracerebral no tecido cerebral. Sintomas semelhantes aos de AVC que duram menos de 1 hora são denominados ataques isquêmicos transitórios (AIT).

Tabela 13. Acidente Vascular Cerebral.

Prevenção:
  • Identificar o paciente em risco
    • Reduzir a ansiedade
    • Garantir anestesia local profunda
      • Usar agentes anestésicos locais que contenham um vasoconstritor congruente com a capacidade funcional do paciente.
Sinais e sintomas:
  • Cefaleia, rigidez de pescoço
  • Náuseas e/ou vômito
  • Pupilas desiguais
  • Fala arrastada
  • Disfunção motora
    • Inclinação facial
    • Hemiplegia
  • Convulsão focal ou generalizada
  • Estado mental alterado
Resposta de emergência:
  • Avaliação do AVC22
    • Colocar o paciente em posição ereta ou semirreclinada
      • Pedir ao paciente para sorrir
        • Normal; ambos os lados da face movem-se igualmente
        • Anormal: um lado da face não se move de maneira alguma
      • Pedir ao paciente para levantar ambos os braços
        • Normal: ambos os braços se movem igualmente ou não se movem
        • Anormal: um braço desvia em comparação com o outro
      • Peça ao paciente que repita “papagaio velho não aprende a falar”
        • Normal: o paciente usa palavras corretas sem arrastá-las
        • Anormal: palavras arrastadas ou inapropriadas ou mudo
    • Se qualquer um dos 3 sinais da avaliação do AVC for anormal
      • Acionar o SME
        • Administrar oxigênio
          • 2 a 4 L/minuto por cânula nasal
        • Monitorar sinais vitais
          • Se a qualquer momento o paciente deixar de responder, não houver respiração normal ou pulso palpável, considerar o diagnóstico de parada respiratória e/ou cardíaca.
            • RCP e desfibrilação imediatas congruentes com as recomendações atuais
Observação:
  • Sinais de recuperação: sintomas desaparecem
  • Sinais de deterioração: piora do prurido, eritema, urticária; sinais de falha na ventilação semelhante à anafilaxia