História do bruxismo

As referências ao ranger dos dentes foram historicamente descritas em anotações negativas. O termo “cerrar os dentes” refere-se a ranger ou cerrar os dentes com raiva ou aceitar uma situação difícil ou desagradável e lidar com ela de uma determinada maneira.3 Os seres humanos e animais geralmente cerram os dentes para exibir raiva, hostilidade ou frustração. Nos seres humanos, cerrar os dentes era um instinto evolutivo usado como arma para ameaçar um rival ou predador. Em muitas culturas, ranger os dentes tem sido associado a sofrimento, dor física, loucura e possessão. A história do bruxismo, nos termos ranger e cerrar, é mencionada na Bíblia em vários versículos. Exemplos incluem: Salmo 35:16 “Os ímpios zombam de mim com desprezo; Rangem os dentes contra mim”. Salmo 112:10 “Aquele que é mau verá isso e ficará transtornado. Rangerá os dentes e desaparecerá”.

Com o passar dos anos, pesquisas identificaram muitas razões pelas quais as pessoas rangem os dentes. No início do século XX, Moritz Karolyi, um dentista vienense, descreveu o bruxismo como “neuralgia traumática” e declarou que “era a causa de uma condição periodontal chamada piorreia (periodontite)”. Em 1907, o termo francês “Bruxamine” foi apresentado por Marie e Pietkiewicz. Em 1931, Bertrand Frohman, MD, criou o termo bruxismo, que vem da expressão grega “brychien odontas”.4 Sigmund Freud, estudioso e psiquiatra, também tinha uma teoria sobre bruxismo na cavidade bucal. Ele afirmou que isso era de muita importância no desenvolvimento e comportamento psicossexual do indivíduo. Entre 1966 e 2007, as pesquisas e os tratamentos se concentraram em ajustes oclusais e fissuras orais. Durante a década de 1960, um periodontista, Sigurd Peder, DDS, PhD,5 promoveu a teoria de que os fatores oclusais eram responsáveis pelo bruxismo. Enquanto a terapia focada na remoção da interferência oclusal permaneceu insatisfatória, abordagens comportamentais nas pesquisas também diminuíram durante 1966-1986.

Os hábitos oclusais podem ser uma fonte de gratificação ou um escape para agressão ou frustração. Por exemplo, as crianças chupam o polegar para obter satisfação ou, inversamente, as crianças mordem objetos ou pessoas por raiva ou frustração. O adulto é guiado pela moral, pelos costumes, pelas tradições e por outros padrões comportamentais quando não podem satisfazer suas necessidades emocionais tão facilmente quanto as crianças. Através da estrutura bucal, o adulto tende a roer as unhas, morder os lábios e as bochechas juntamente com apertos, rangimentos e toques dos dentes para liberar agressões.6

As pesquisas mais recentes identificam muitos fatores envolvidos com o bruxismo, incluindo: estilo de vida, fatores de estresse, medicamentos, distúrbios mentais e físicos e má oclusão.4