Diagnóstico

O diagnóstico começa inicialmente com as preocupações do paciente durante uma consulta odontológica. A principal queixa comum dos pacientes é algum nível de dor, persistente ou inconsistente, de sensibilidade leve a dor intensa. Em geral, o paciente apresenta hipersensibilidade ou dor generalizada ou localizada nos dentes e/ou na mandíbula. Ele pode também se tornar ciente de seus hábitos de cerramento dos dentes durante ocasiões de estresse ou depressão. Às vezes, ele sabe identificar exatamente o dente. Outras, ele sabe a região, mas é incapaz de identificar o dente exato.

Depois de determinar que a cárie não é o problema, a identificação de qualquer desgaste nas facetas pode confirmar o rangimento dos dentes. Sintomas relacionados à mandíbula ou face são: dor, cansaço, tensão ou rigidez geralmente resultante de pressão e uso excessivo dos músculos masseter ou da ATM. Dor de cabeça é outro sintoma comum, em especial quando ocorre após acordar. Essa dor pode ser surda ou intensa, às vezes levando a enxaqueca.17

Ao longo dos anos, os “custos” acumulados do bruxismo podem produzir uma ampla gama de danos ou alterações orais. A duração, frequência e intensidade do bruxismo contribuem sobremaneira para o efeito resultante.4, 16, 52, 53

Sinais e sintomas do bruxismo
  • Microrrachaduras e restaurações quebradas, levando, por fim, a danos nos nervos.
  • Desgaste do esmalte até a dentina; ausência das bordas arredondadas dos dentes e presença de bordas afiadas, causando sensibilidade ao calor e ao frio.
  • Abfrações ou desgaste excessivo de dentes anteriores, resultando em preocupações estéticas e desafios de restauração.
  • Facetas gravemente desgastadas nos dentes posteriores, causando redução na dimensão vertical, fechamento excessivo da mandíbula, contatos abertos e impacto de alimentos.
  • Retração gengival causada pela pressão na gengiva.
  • Inflamação da gengiva.
  • Mobilidade dos dentes por balançarem para frente e para trás pelo rangimento.
  • Dor de cabeça e nas mandíbulas devido ao uso excessivo dos músculos.
  • Marcas dos dentes na língua por causa dos empurrões constantes da língua contra os dentes durante o bruxismo.
  • Linha alba causada pela pressão exercida pelas bochechas nas superfícies vestibulares dos dentes posteriores durante o bruxismo.
  • Dor ou zumbido no ouvido.
  • Hipertrofia bilateral ou unilateral e tônus muscular grande dos músculos mastigatórios, dependendo da existência de um lado de rangimento mais dominante.
  • Exostose bucal, excesso de osso como resultado da defesa do corpo para suportar os dentes.

Radiographic Appearances

Enamel appears flat or thin on the incisal and occlusal surfaces. It may be localized, but usually is generalized. Small chips on the incisal edges may show radiographically along with broken teeth or restorations. Radiographically it would show widening of the periodontal ligament and bone resorption due to trauma enforced by the grinding.4 Pulpal necrosis may be visible (Figures 6 and 7).

Figura 6.
Esmalte fino, cúspides planas e reabsorção óssea.
Esmalte fino, cúspides planas e reabsorção óssea.
Figura 7.
Esmalte fino e cúspides mandibulares planas com alargamento do ligamento periodontal no dente nº 13.
Esmalte fino e cúspides mandibulares planas com alargamento do ligamento periodontal no dente nº 13.

Hábitos

O bruxismo é considerado o transtorno funcional mais destrutivo da dentição. Certos hábitos podem aumentar as chances de desenvolver e piorar o bruxismo.15

São eles:

  • Ruídos de rangimento durante o sono
  • Falar durante o sono
  • Inquietação à noite
  • Roncos que podem alternar as transições do sono, aumentando a chance de rangimento
  • Morder ou mastigar bochechas, lábios, unhas, lápis ou outros objetos. Além disso, chupar balas ou qualquer atividade que mantenha a boca ocupada ou em constante alerta treina a boca para permanecer ativa, mesmo durante o sono. Esses hábitos tornam os pacientes mais suscetíveis a ranger os dentes, uma vez que esses hábitos têm uma ocorrência cíclica típica semelhante ao bruxismo.5
  • Mascar chiclete mantém os músculos da bochecha cerrados e tensos, quando deveriam permanecer relaxados.
  • Uso de tabaco
  • Uso de drogas
  • Uso de álcool
  • Consumo de cafeína