Doença Periodontal - O Segredo é a Inflamação

A periodontite é uma doença inflamatória multifatorial crônica iniciada por microrganismos bacterianos e caracterizada por inflamação crônica grave que leva à destruição progressiva do aparato de suporte dentário, perda dentária e, por fim, disfunção mastigatória. Periodontite:

  • é comum;
  • reduz a função de mastigação;
  • prejudica a estética;
  • causa perda de dentes;
  • causa deficiência;
  • leva a desigualdade social;
  • reduza qualidade de vida;
  • tem impacto significativo na escalada dos custos de saúde pública.

Com alta prevalência em todo o mundo, exemplos de dados recentes confirmam uma presença continuada. A Pesquisa de Saúde Bucal em Adultos do Reino Unido de 2009 relatou que 66% das pessoas com 55 anos ou mais apresentavam perda de inserção periodontal (PIP) acima de 4 mm e 21% tinham PIP acima de 6 mm, o que representa destruição periodontal significativa.13 Esses níveis são semelhantes a outros dados coletados em todo o mundo. Por exemplo, o ciclo de 2009/2010 da Pesquisa Nacional de Avaliação da Saúde e Nutrição nos Estados Unidos relatou que 64% das pessoas com 65 anos ou mais tinham periodontite moderada ou grave.14 Esses números de prevalência são altos em comparação com outras doenças e, recentemente, tem havido uma reavaliação sugerindo que muitos estudos epidemiológicos subestimaram a prevalência da periodontite.

O que ficou mais claro com as pesquisas adicionais foi que as associações entre periodontite e condições selecionadas não pareciam esparsas mas genuínas, com um fator em comum: a inflamação. A periodontite aumenta a inflamação sistêmica por meio de bactérias que entram na circulação ao falar, comer e escovar os dentes. Esses micro-organismos ativam uma resposta de fase aguda pelo fígado e estimulam as células imunológicas, como os neutrófilos, a gerar “estresse oxidativo” na circulação. Parece que não são as bactérias em si, mas a resposta inflamatória em resposta a elas, que causa o problema. A reação ocorre em um ritmo lento e baixo, mas implacável, ao longo de muitos anos, e ao fazê-lo contribui para a “carga inflamatória” geral que impulsiona muitas das doenças inflamatórias do envelhecimento.15