Introdução

Os implantes dentários têm uma taxa de sobrevida muito alta.1 No entanto, o uso da taxa de sobrevida como uma métrica para o sucesso não aborda a inflamação induzida por infecção e suas consequências em implantes sobreviventes. À medida que a ligação entre a saúde bucal e a saúde sistêmica é elucidada, e a infecção e a inflamação surgem como elos primários, a questão é primordial.2 Isso é especialmente pungente à luz dos relatos de que até 48% dos implantes dentários apresentam inflamação dos tecidos moles.3-5

A doença peri-implantar é um processo inflamatório induzido por infecção associado a implantes dentários. Como a doença pode acometer tecidos moles e duros, ela pode ser classificada em duas categorias: mucosite peri-implantar e peri-implantite. mucosite peri-implantar e peri-implantite. A mucosite peri-implantar é uma inflamação dos tecidos moles em torno dos implantes dentários, sem evidência de perda óssea. A peri-implantite reflete evolução da mucosite peri-implantar e tem componentes de tecidos moles e duros.6-8