Novas fronteiras

Novas fronteiras

Os pesquisadores especializados em odontologia estão procurando novas tecnologias para combater o biofilme. Um enfoque é interferir na sinalização entre as bactérias do biofilme de modo que não se possam comunicar entre elas. Outra tática é imitar as defesas naturais desenvolvidas pelas criaturas do oceano, como as baleias e os golfinhos, que não acumulam biofilmes bacterianos5. Os investigadores da odontologia também estão procurando novas estratégias para controlar os biofilmes orais 1,22(ver Tabela 2).

Tabela 2. Possíveis estratégias para controlar biofilmes 23
Controle de nutrientes
  • Adição de nutrientes geradores de base (arginina)
  • Redução do fluxo de LCG por meio de fármacos antiinflamatórios
  • Inibição de enzimas microbianas

Controle do pH do biofilme
  • Substitutos do açúcar
  • Fármacos antimicrobianos
  • Fluoretos
  • Estimular a produção de base

Controle do potencial redox
  • Agentes redox
  • Agentes oxigenadores

Outras estratégias
  • Interferir nas redes de comunicação
  • Prevenir a colonização de determinados microorganismos
  • Enzimas que dissolvem a matriz do biofilme
  • Substituir os patógenos com uma cepa menos virulenta
  • Fotoativação de microorganismos

Observou-se que a variação da concentração de oxigênio, o pH e a disponibilidade de nutrientes na placa modula a microflora do mesmo biofilme e pode ser útil. Por exemplo, os patógenos periodontais necessitam um potencial redox baixo para seu crescimento. Acrescentar um agente redox, como o azul de metileno, às cavidades periodontais mostrou inibir o crescimento de P. gingivalis.24 Posto que o aumento no fluido crevicular gengival (FCG) incrementa a contribuição de nutrientes para o biofilme subgengival, o controle do FCG pode ser empregado no futuro para controlar o biofilme subgengival. A utilização de agentes antiinflamatórios não só pode ajudar a inibir as rotas destrutivas do hospedeiro, mas também pode reduzir a contribuição de nutrientes do FCG para a comunidade do biofilme. Na atualidade, o NIDCR está baseando a pesquisa nesta área com o objetivo de criar novos tratamentos para o futuro11.