Introdução

Apesar dos grandes esforços investidos pelos profissionais da saúde dental, as infecções orais continuam estando muito estendidas. O adulto médio dos EUA tem entre 10 e 17 dentes com cárie, ausentes ou com obturações.1 A maioria da população dos EUA tem gengivite, com uma menor proporção da população que apresenta doença periodontal entre moderada e grave (Figura 1)2.

Figura 1. Gengivite
fig01

Há um reconhecimento universal de que estas infecções orais são multifatoriais, de modo que as bactérias específicas que residem na placa dental são causa necessária mas não suficiente da doença. Não está completamente clara a forma exata pela qual estes microorganismos que habitam na placa (Figura 2) causam as doenças orais. A forma em que se vê a placa dental e seus microorganismos residentes estão determinada pelas ferramentas analíticas que são utilizadas para estudá-la. Portanto, isto influi nas estratégias empregadas para controlar e prevenir as doenças orais. A forma em que se vê a placa dental e seus microorganismos residentes está determinada pelas ferramentas analíticas usadas para estudá-la. Portanto, isso influi nas estratégias empregadas para controlar e prevenir as doenças dentais3 Durante as últimas duas décadas os novos científicos têm mudado a forma em que a placa dental é vista, de modo tal que agora, os científicos da odontologia a vêem como um biofilme.1 nota tradução: biopelícula também é conhecida como biofilme

Figura 2. Microorganismos que habitam na placa

fig02
Microorganismos orais da placa dental mostrando a estrutura típica em «espiga de milho» das bactérias.