Convulsão do tipo grande mal

As convulsões do tipo grande mal (convulsões tônico-clônicas) são a forma mais comum encontrada na epilepsia. Elas também podem ser provocadas por acidente vascular cerebral, meningite, encefalite, abstinência de drogas, estimulação fótica, fadiga e intoxicantes. A convulsão toda pode ser dividida nas fases prodrômica, pré-ictal, ictal e pós-ictal, que não duram mais de 15 minutos. No entanto, pode demorar até 2 horas para que a função normal, pré-ictal do cérebro seja retomada. Uma convulsão do tipo grande mal que dura horas ou dias é denominada status epilepticus (estado epiléptico) e pode levar à morte se não for tratada.

Na fase prodrômica, o paciente pode apresentar alterações que podem ser evidentes apenas para um parente, como aumento da ansiedade ou depressão. Um paciente com histórico de convulsões pode reconhecer o desenvolvimento de uma “aura” consistindo em alterações olfativas, visuais, gustativas ou auditivas. Se a aura for observada pelo paciente ou pela equipe odontológica, o tratamento deve ser interrompido imediatamente antes de prosseguir para a fase pré-ictal.

A fase pré-ictal é clinicamente manifestada por:

  • Perda da consciência.
  • Queda, se estiver em pé (momento mais propenso a lesões).
  • Puxões mioclônicos.
  • Aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial.
  • Espasmo dos músculos diafragmáticos.

A fase ictal (componente tônico) é clinicamente manifestada por:

  • Alternação entre relaxamento muscular e contrações violentas.
  • Espuma na boca devido à mistura de saliva e ar.
  • Sangramento da boca devido a morder as bordas laterais da língua.
  • Dura de 2 a 5 minutos.

A fase pós-ictal é clinicamente manifestada por:

  • Cessação dos movimentos tônico-clônicos.
  • Normalização da respiração.
  • Retorno gradual da consciência com desorientação.
  • Relaxamento.
  • Flacidez muscular resultando em incontinência urinária ou fecal.
  • Amnésia total da convulsão.

Tratamento da emergência

Caso o paciente apresente uma convulsão do tipo grande mal, os seguintes passos devem ser adotados:

Fase prodrômica e pré-ictal

  • Reconheça a aura.
  • Interrompa o tratamento e tire do caminho a mesa e os instrumentos de suporte.

Fase ictal

  • Acione a equipe de emergências do consultório.
  • Posicione o paciente em posição supina com os pés elevados ou coloque o paciente de lado para evitar aspiração.
  • Proteja o paciente de lesões corporais, mas não coloque objetos na boca para evitar lesões nos tecidos moles.

Avalie e realize o BLS se necessário.

Fase pós-ictal

  • Administre oxigênio.
  • Monitore os sinais vitais.
  • Acalme o paciente e permita que ele se recupere.
  • Dependendo do histórico do paciente e se ele estiver acompanhado por um adulto, libere o paciente para casa ou para o hospital ou médico.

Se a convulsão durar mais de 5 minutos:

  • Acione o EMS.
  • Avalie e realize o BLS se necessário.
  • Proteja o paciente de lesões até o EMS chegar.
  • Se estiver disponível e houver pessoal treinado em punção venosa, administre um anticonvulsivante IV.