Processo de cárie e estratégias de prevenção: Erosão
Interação entre perda física e química de superfície dentária

Autor do curso: Susan Higham, BSc (Bacharel em Ciências), PhD (doutora), CBiol (Bióloga Oficial), MRSB (Membro da Sociedade Real de Biologia); Chris Hope, BSc (Bacharel em Ciências) (com distinção), PhD (doutor), FHEA (Membro da Academia de Ensino Superior); Sabeel Valappil, BSc (Bacharel em Ciências), MSc (Mestre em Ciências), PhD (doutor), PGCertEd (Pós-Graduado em Educação), FHEA (Membro da Academia de Ensino Superior); Phil Smith, BDS (Bacharel em Ciências Odontológicas), MDS (Mestre em Ciências Odontológicas), PhD (doutor), FDS (Docente em Cirurgia Odontológica), DRD (Destacamento de Pesquisa Odontológica), MRD (Membro em Odontologia Restauradora), FDS (Docente em Cirurgia Odontológica) (Odont. Rest.), RCS (Academia Real de Cirurgiões) (Edin), FHEA (Membro da Academia de Ensino Superior)

Interação entre perda física e química de superfície dentária

O desgaste dentário pode resultar da interação entre dois ou mais processos de perda da superfície dentária. A apresentação mais comum do desgaste dentário envolve abrasão dentária com erosão.2 O ácido dissolve parcialmente a camada externa de tecido mineralizado, o que aumenta o potencial de abrasão na escovação, com ou sem creme dental. Por exemplo, pode haver interação entre o atrito dentário e a erosão dentária em pessoas que regurgitam com frequência, como os bulímicos.

Figura 3.
Representação em diagrama de como a erosão e todos os fatores físicos do desgaste dentário estão interligados.
Representação em diagrama de como a erosão e todos os fatores físicos do desgaste dentário estão interligados.
© © AEGIS Communications, LLC. Usado com permissão da AEGIS Communications, LLC.