Processo de cárie e estratégias de prevenção: Erosão
Avaliação de risco e diagnóstico

Autor do curso: Susan Higham, BSc (Bacharel em Ciências), PhD (doutora), CBiol (Bióloga Oficial), MRSB (Membro da Sociedade Real de Biologia); Chris Hope, BSc (Bacharel em Ciências) (com distinção), PhD (doutor), FHEA (Membro da Academia de Ensino Superior); Sabeel Valappil, BSc (Bacharel em Ciências), MSc (Mestre em Ciências), PhD (doutor), PGCertEd (Pós-Graduado em Educação), FHEA (Membro da Academia de Ensino Superior); Phil Smith, BDS (Bacharel em Ciências Odontológicas), MDS (Mestre em Ciências Odontológicas), PhD (doutor), FDS (Docente em Cirurgia Odontológica), DRD (Destacamento de Pesquisa Odontológica), MRD (Membro em Odontologia Restauradora), FDS (Docente em Cirurgia Odontológica) (Odont. Rest.), RCS (Academia Real de Cirurgiões) (Edin), FHEA (Membro da Academia de Ensino Superior)

Avaliação de risco e diagnóstico

É importante avaliar os diferentes fatores etiológicos para identificar quais pacientes estão em risco e sugerir medidas preventivas, em especial se a erosão for detectada precocemente. A erosão não diagnosticada nos estágios iniciais pode tornar muito difíceis as medidas preventivas. Para avaliar o risco, a coleta de informações sobre o histórico médico e odontológico do paciente é o primeiro passo importante. As informações sobre os hábitos alimentares do paciente são as mais úteis, e é aconselhável que os cirurgiões-dentistas solicitem a seus pacientes o registro de sua ingestão alimentar completa por quatro dias consecutivos, incluindo a hora do dia e a quantidade de todos os alimentos e bebidas, além de medicamentos e suplementos. Além disso, é útil perguntar ao paciente sobre sintomas gástricos (como vômitos, gosto ácido na boca, azia crônica etc.), uso de drogas (álcool, antieméticos, anti-histamínicos etc.), uso de medicamentos ou suplementos ácidos e hábitos de higiene bucal (como a técnica ou frequência de escovação). Também é útil realizar testes para a vazão de saliva não estimulada, vazão de saliva estimulada e capacidade de tamponamento da saliva para determinar se a quantidade e a qualidade da saliva representam risco de erosão2,39,40

A detecção clínica de erosão dentária é importante depois de iniciada a dissolução. Nos estágios iniciais da erosão, a aparência dos dentes é o sinal mais importante para o diagnóstico. Os primeiros sinais incluem superfície lisa de esmalte sedoso e vitrificado, além de sulcos nas superfícies oclusais. Em estágios mais avançados, ocorrem mudanças na morfologia original. Em geral, as superfícies vestibulares e linguais dos incisivos superiores parecem lisas e brilhantes com perda generalizada da anatomia, enquanto as superfícies palatais dos incisivos superiores talvez apresentem dentina lisa e exposta, muitas vezes com um halo de esmalte ao redor da lesão.2