Processo de cárie e estratégias de prevenção: Diagnóstico
Diagnóstico de cárie: Pontos importantes a considerar

Autor do curso: Amid I. Ismail, BDS (Bacharel em Ciências Odontológicas), MPH (Mestre em Saúde Pública), MBA (Mestre em Administração de Empresas), DrPH (Doutor em Saúde Pública)

Diagnóstico de cárie: Pontos importantes a considerar

Quando é cedo demais para detectar lesões de cárie?

Foi estabelecido que os sinais e sintomas da cárie formam um processo contínuo de mudanças que vão desde aqueles que mal podem ser discernidos no nível ultraestrutural até cavidades visíveis. Isso levou ao desenvolvimento de métodos de diagnóstico que visam detectar o desenvolvimento de lesões de cárie o mais cedo possível, a fim de aumentar a oportunidade de sucesso com intervenções não cirúrgicas, como o tratamento com fluoreto.

No entanto, alguns argumentam que pode haver consequências na detecção “muito cedo”. Esses incluem mais diagnósticos falso-positivos, porque o diagnóstico da lesão cárie (como qualquer outro processo de medição) está propenso a erros e isso pode levar a tratamento não cirúrgico desnecessário.2 Além disso, muitas lesões subclínicas regridem sem intervenção ativa, graças aos processos naturais de remineralização que ocorrem no biofilme.27 Além disso, o exame clínico visual ou visual-tátil é o único método que permite a distinção entre lesões não cavitadas ativas e inativas. O uso de técnicas mais avançadas do que o exame visual-tátil só contribui para o problema do tratamento não cirúrgico desnecessário, porque nenhuma dessas técnicas disponíveis até o momento conseguem distinguir lesões ativas de inativas.2

Os pediatras devem ajudar no diagnóstico da cárie?

A cárie é a doença crônica mais comum na infância nos EUA, mas nem todos os pediatras estão treinados em cuidados orais e na saúde bucal de bebês e crianças. Torna-se cada vez mais evidente que é importante educar os profissionais de saúde sobre como detectar sinais precoces de cárie, porque isso ajudará a aumentar a oportunidade de intervenção não cirúrgica. Os pediatras veem as crianças com mais frequência do que os cirurgiões-dentistas devido ao calendário de vacinação recomendado nacional e internacionalmente e devido à frequência das consultas na infância e na primeira infância. Um estudo realizado nos Estados Unidos descobriu que os provedores de cuidados primários pediátricos que fizeram 2 horas de treinamento sobre saúde bucal de bebês foram capazes de identificar uma lesão cavitada com um nível de precisão semelhante ao dos odontopediatras.28