Processo de Cárie e Estratégias de Prevenção: Desmineralização/Remineralização
Produção de Base Promove a Remineralização

Autor do curso: Susan Higham, BSc (Bacharel em Ciências), PhD (doutora), CBiol (Bióloga Oficial), MRSB (Membro da Sociedade Real de Biologia); Chris Hope, BSc (Bacharel em Ciências) (com distinção), PhD (doutor), FHEA (Membro da Academia de Ensino Superior); Sabeel Valappil, BSc (Bacharel em Ciências), MSc (Mestre em Ciências), PhD (doutor), PGCertEd (Pós-Graduado em Educação), FHEA (Membro da Academia de Ensino Superior); Phil Smith, BDS (Bacharel em Ciências Odontológicas), MDS (Mestre em Ciências Odontológicas), PhD (doutor), FDS (Docente em Cirurgia Odontológica), DRD (Destacamento de Pesquisa Odontológica), MRD (Membro em Odontologia Restauradora), FDS (Docente em Cirurgia Odontológica) (Odont. Rest.), RCS (Academia Real de Cirurgiões) (Edin), FHEA (Membro da Academia de Ensino Superior)

Produção de Base Promove a Remineralização

Uma etapa fundamental no processo de remineralização é a recuperação do pH da placa para um nível superior ao pH crítico. Os fatores que afetam isso incluem a capacidade de tamponamento da saliva, se os carboidratos fermentáveis permanecem na boca e a difusão de ácidos da placa para a saliva ou os dentes. Também é influenciada pela produção de bases na placa. A amônia da desaminação de aminoácidos e da quebra da ureia na saliva são exemplos de reações que tornam o pH da placa menos ácido. Essas bases são importantes para neutralizar o ácido quando a ingestão de carboidratos é moderada.17 O aumento do pH para um nível menos ácido também pode ser auxiliado pela remoção dos ácidos por bactérias. Por exemplo, as bactérias do gênero Veillonella usam o lactato como substrato, metabolizando-o em produtos menos ácidos, como o ácido propiônico e o ácido acético (Figura 3).7

Figura 3. Como Veillonella reduz o risco de cárie ao reduzir a acidogenicidade do pH da placa.
fig03
Como Veillonella reduz o risco de cárie ao reduzir a acidogenicidade do pH da placa.
Fonte: Marsh PD, Lewis MAO, Rogers H, et al. Oral Microbiology. 6 ed. 2016; Edimburgo: Churchill Livingstone Elsevier.