Dentalcare.com.br

Processo de Cárie e Estratégias de Prevenção: Desmineralização/Remineralização
Ácido e a Solubilidade da Hidroxiapatita

Autor do curso: Susan Higham, BSc (Bacharel em Ciências), PhD (doutora), CBiol (Bióloga Oficial), MRSB (Membro da Sociedade Real de Biologia); Chris Hope, BSc (Bacharel em Ciências) (com distinção), PhD (doutor), FHEA (Membro da Academia de Ensino Superior); Sabeel Valappil, BSc (Bacharel em Ciências), MSc (Mestre em Ciências), PhD (doutor), PGCertEd (Pós-Graduado em Educação), FHEA (Membro da Academia de Ensino Superior); Phil Smith, BDS (Bacharel em Ciências Odontológicas), MDS (Mestre em Ciências Odontológicas), PhD (doutor), FDS (Docente em Cirurgia Odontológica), DRD (Destacamento de Pesquisa Odontológica), MRD (Membro em Odontologia Restauradora), FDS (Docente em Cirurgia Odontológica) (Odont. Rest.), RCS (Academia Real de Cirurgiões) (Edin), FHEA (Membro da Academia de Ensino Superior)

Ácido e a Solubilidade da Hidroxiapatita

A solubilidade da hidroxiapatita é muito afetada pelo pH dos fluidos orais: Em geral, um ambiente mais ácido faz a hidroxiapatita se tornar mais solúvel, enquanto um ambiente menos ácido a torna menos solúvel.1,11-13 Em um ambiente bucal saudável que não está sofrendo um desafio ácido devido a ácidos relacionados à dieta, de origem gástrica ou medicamentosa, o fluido da placa e a saliva são supersaturados com íons de cálcio, fosfato e hidroxila, prevenindo a dissolução do esmalte dentário. (Apesar dessa supersaturação, porém, os cristais de hidroxiapatita não crescem continuamente na superfície do dente. Isso ocorre porque a saliva contém inibidores proteicos do crescimento dos cristais de hidroxiapatita, como a estaterina, além de proteínas ricas em prolina que revestem a superfície do esmalte e previnem a propagação por cristais expostos.1)

Se um desafio ácido fizer com que o fluido da placa e a saliva se tornem cada vez mais ácidos, os íons de cálcio, fosfato e hidroxila se combinarão com hidrogênio, removendo esses íons da solução. A solução torna-se, portanto, insaturada com relação à hidroxiapatita e a estrutura dura do dente se dissolve. Quanto mais insaturados estiverem o fluido da placa e a saliva, maior a dissolução.1,13 Em geral, a solubilidade dos tecidos duros dentais aumenta por um fator de 10 com a queda de cada unidade de pH. A dissolução continua até que a saturação seja restabelecida.

Como a placa dentária está muito próxima do dente e geralmente impede o acesso da saliva ao esmalte, mais atenção é dada ao nível de supersaturação no fluido interbacteriano da placa dentária. Esse fluido perde sua supersaturação muito rapidamente em resposta a uma exposição à sacarose e se torna mais insaturado à medida que a concentração de sacarose aumenta. Foi descoberto que exposições frequentes à sacarose, que fazem o pH do fluido da placa dentária subir e descer repetida e rapidamente, esgotam os reservatórios de cálcio e fosfato na placa. Isso promove uma insaturação induzida pelo pH, o que aumenta o potencial cariogênico do fluido da placa. É por isso que, quando se trata de cárie, a frequência de ingestão de açúcar é considerada mais prejudicial do que o total de açúcar ingerido.8,14