Potencial Cariogênico

Açúcares simples, como sacarose, frutose, lactose, galactose e glicose, promovem a colonização e o crescimento de bactérias ligadas à cárie, especialmente o Streptococcus mutans.2 Estudos indicam que pacientes colocados em dietas com alto teor de sacarose exibem aumento nas contagens de S. mutans e na incidência de lesões cariosas precoces. Embora seja reconhecido que o amido tem uma cariogenicidade mais baixa do que a da sacarose, ficou demonstrado que o consumo frequente de amido produz um grande número de lesões cariosas. Isso ocorre porque o amido pode ser decomposto em maltose por uma enzima da saliva chamada amilase. A maltose pode então ser metabolizada adicionalmente em ácidos, o que, por sua vez, leva à desmineralização.3

Por outro lado, a restrição dietética de carboidratos fermentáveis e amidos cozidos reduz o nível de organismos cariogênicos em humanos. Um estudo de intervenção clássico de 15 anos, o estudo Hopewood House realizado na Austrália,4 avaliou os efeitos clínicos de uma dieta com restrição de sacarose em 81 crianças de 4 a 9 anos. No início do estudo, 78% das crianças estavam sem cárie e 53% continuavam sem cárie aos 13 anos. Isso foi significativamente maior do que a proporção de crianças de 13 anos sem cárie na população residencial geral: apenas 0,4%. Quando as crianças da Hopewood House foram realocadas ao ficarem mais velhas, elas não mais aderiram à sua dieta rigorosa. O resultado foi um aumento acentuado na incidência de cárie, semelhante ao encontrado em outras crianças, indicando que os dentes não adquirem resistência permanente à cárie dentária.

Figura 1. Número de dentes cariados, faltantes ou obturados (DMF) com cárie na população em geral comparado ao das crianças da Hopewood House.

fug1
Adaptado de: Harris R. The biology of the children of Hopewood House, Bowral, N.S.W.: VI. The pattern of dental caries experience. Aust Dent J. 1967;12(3):220-227.