Visão Geral

Um número cada vez maior de norte-americanos preocupados com a saúde está praticando esportes, para se exercitar, participar em competições ou simplesmente pelo prazer dessas atividades recreativas. Na última década, 46 milhões de crianças nos EUA praticaram esportes. Calcula-se que 30 milhões dessas crianças participamm de esportes organizados. As lesões esportivas são responsáveis por 10-39% de todas as lesões dentárias. As crianças mais propensas a lesões orais relacionadas ao esporte têm entre 7 e 11 anos de idade.29,43,45-47

Aproximadamente 15 milhões de norte-americanos sofrem lesões dentárias e 5 milhões de dentes são perdidos anualmente em lesões relacionadas ao esporte. Durante uma única temporada esportiva, os atletas têm 1 chance em 10 de sofrer uma lesão facial ou dentária. De fato, estima-se que o risco desse tipo de lesão ao longo da vida seja de aproximadamente 45%, de acordo com a National Youth Sports Safety Foundation (NYSSF). A NYSSF estima que mais de 3 milhões de dentes serão avulsionados em eventos esportivos para jovens. Ela também informa que atletas que não usam protetores bucais têm chances 60 vezes maiores de sofrer trauma na cavidade oral.41  Em uma pesquisa recente encomendada pela Associação Norte-Americana de Ortodontistas (AAO), 84% das crianças não usam protetor bucal durante esportes organizados porque não são obrigadas a usá-los, mesmo que sejam obrigadas a usar capacete e outros equipamentos de segurança.44 Em uma recente revisão dos dados coletados pelo estudo Vigilância de Lesões Relacionadas a Esportes no Ensino Médio Nacional, 72,5% das lesões dentárias ocorreram quando os atletas não estavam usando protetor bucal. Embora os dados indicassem que as lesões dentárias não eram tão comuns quanto outras lesões, a maioria dos traumas dentários ocorreu quando o atleta não usava protetor bucal.53 A odontologia desempenha um papel importante no tratamento de lesões bucais e craniofaciais resultantes de atividades esportivas.

Antes da década de 1980, pouca coisa estava disponível na literatura científica em termos de avaliação de lesões relacionadas a esportes. Vários sistemas de vigilância de lesões foram estabelecidos na tentativa de rastrear acidentes e lesões relacionados a esportes. Embora todos os sistemas de vigilância de lesões forneçam informações valiosas sobre lesões esportivas generalizadas, há pouquíssima informação disponível sobre lesões dentárias ou craniofaciais. Em termos de coleta e análise de dados, o campo está aberto para que a odontologia assuma um papel importante de liderança na avaliação de lesões dentárias resultantes de atividades esportivas.3  Uma das razões para tal falta de estudos científicos sobre essa questão é a ausência de formação acadêmica em odontologia esportiva. Uma pesquisa de Kumamoto e outros foi enviada para 69 faculdades de odontologia nos Estados Unidos e no Canadá com relação a ofertas de cursos, opiniões sobre a oferta de um curso, construção de protetores bucais e fornecimento de tratamento para trauma. Das 19 faculdades de odontologia com cursos de odontologia esportiva, 17 o ministravam no currículo de graduação, 12 como curso obrigatório e as 5 restantes como matéria eletiva. Duas faculdades ofereciam o curso no nível de mestrado. Os dados do estudo também concluíram que mais da metade das faculdades que ensinavam odontologia esportiva não tratavam nenhum grupo de atletas externo regularmente.4

Este curso foi elaborado para explicar as diversas lesões dentárias relacionadas ao esporte, discutir os três tipos de protetores bucais utilizados e o papel da equipe odontológica em lesões relacionadas ao esporte e na odontologia esportiva.